Secretário de Saúde diz que Dinca tem inveja do Governo Sebastião Dias e o clima esquenta na política tabirense

43Por Anchieta Santos

“A acusação de Dinca é inveja. Ele teve 9 anos de mandatos para comprar um ônibus como nós compramos e não conseguiu”.

A afirmação foi feita ontem pelo Secretário de Saúde Alan Dias falando a Anchieta Santos na Rádio Cidade FM,respondendo a acusação do ex-prefeito de que o ônibus comprado por R$ 180 mil  para o TFD foi superfaturado pela Prefeitura de Tabira.

Alan disse ainda que sucata, “Dinca tem na frente de sua empresa” e que o ônibus foi comprado através de pregão presencial. “Ao invés da CPI proposta por ele, os vereadores deveriam entrar com uma ação contra o ex-gestor”.

Alan citou a frota sucateada deixada por Dinca e o débito de R$ 31 mil  deixado com a Empresa Progresso. O secretário ainda anunciou que o governo Sebastião Dias já está tratando da aquisição da Casa de Apoio no Recife.

Depois da participação de Alan, Dinca ligou para a Rádio Cidade e rebateu dizendo que “jamais teria inveja de um governo horroroso como o do poeta hoje em Tabira”.

Ele elogiou a economia feita por Marcos Crente na Câmara, mas citou a falta de experiência dos parlamentares com pregão sem conhecer o veículo. Dinca desafiou Alan e o governo a citarem os jornais onde o edital foi publicado, anunciando o Pregão.  O ex-prefeito completou dizendo que o ônibus teve mesmo a compra superfaturada.

Durante a sessão da Câmara a noite, o vereador Djalma das Almofadas reafirmou ter participado do pregão e que ele foi legal, mas a empresa licitada, passou gato por lebre, pois pelo valor, o ônibus foi caro.

O líder do governo Mario Amaral (que mais uma vez esqueceu de apresentar a prestação de contas do Serviço de Convivência da Secretaria de Ação Social), acusou Dinca de usar os microfones das rádios para “latir” contra um governo que trabalha pelo povo.  “Ele (Dinca) está latindo para voltar a pegar o osso”.

Já Marcos Crente, Presidente da Casa Legislativa, lembrou que o ônibus foi comprado com garantia de 90 dias em motor e caixa de marcha. Revelou que uma das empresas participantes do pregão, compareceu sem documentação. E completou dizendo que “se tem alguém que entende de superfaturamento, não é ele”.

Maio termina com chuva em cidades do Pajeú

Por Anchieta Santos

Confirmando a previsão da meteorologia a chuva caiu em várias cidades da região do Pajeú na tarde/noite de ontem. Acompanhada de relâmpagos e trovões, a chuva caiu em cidades como Afogados da Ingazeira que somou 36mm, Tabira, Quixaba e Carnaíba 36 mm. Para hoje a previsão é de mais chuva na região. Na zona rural choveu na Caiçara, Santiago, Manoel Soares e Capim Grosso.

Prêmio Cepe Nacional de Literatura com inscrições abertas até 15 de junho

logo_-_Prmio_Cepe_Nacional_2016O Prêmio Cepe Nacional de Literatura 2016 está com inscrições abertas até o dia 15 de junho. Já em sua segunda edição, o concurso, que é promovido pela Companhia Editora de Pernambuco, concede premiação de R$ 80 mil distribuídos entre os primeiros lugares das categorias romance, contos, poesia e literatura Infantojuvenil. Escritores brasileiros residentes no país ou no exterior, bem como estrangeiros naturalizados, poderão participar inscrevendo uma obra (inédita) em uma das categorias.

Com participação já confirmada de escritores de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Amazonas, Goiás, Distrito Federal, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará, o Prêmio Cepe Nacional de Literatura foi criado para fomentar a cultura, estimulando a produção literária de escritores e de novos talentos de todo o Brasil. As inscrições são gratuitas. O edital está disponível no site da Companhia (www.cepe.com.br/concursos) com todas as informações e prazos do certame.

A seleção dos melhores trabalhos será feito a partir da análise de duas comissões julgadoras. A primeira, local, formada por especialistas com reconhecida notoriedade, será responsável pela pré-seleção das dez melhores obras de cada categoria. A segunda, de caráter nacional, composta por escritores de renome nacional, será responsável pelo julgamento final. O anúncio dos resultados acontecerá no dia 16 de novembro e a entrega dos prêmios em dezembro.

Em sua primeira edição (2015), o Prêmio Cepe contou com comissão local formada por Eduardo César Maia (pesquisador na área de literatura, autor de dois livros sobre o crítico literário Álvaro Lins) que fez a seleção dos dez melhores romances inscritos; Cristhiano Aguiar (contista e crítico literário) na escolha dos dez melhores livros de contos; Fábio Andrade (poeta, pesquisador e professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Pernambuco) na categoria poesia, além de Jussara Salazar (poetisa, editora e artista visual) na seleção dos dez melhores trabalhos de literatura infantojuvenil.

A comissão final (nacional) foi formada por José Castello (escritor, jornalista e crítico literário), Luiz Henrique Pellanda (escritor) e Anco Márcio Tenório Vieira (mestre em Teoria da Literatura, doutor em Literatura Brasileira e professor da UFPE).

Lançamentos  Os livros vencedores do Prêmio Cepe 2015 foram lançados em evento no Museu do Estado de Pernambuco, em abril passado. São eles: O grande massacre das vacas, de Sérgio Corrêa de Siqueira, de Minas Gerais (Romance); O amor que não sentimos e outros contos, de Guilherme Azambuja Castro, do Rio Grande do Sul (Contos); Elogio do carvão, de Marcus Vinícius Quiroga, do Rio de Janeiro (Poesia); e E eu, só uma pedra, de Helton Alexandre Pereira, do Ceará (Infantojuvenil).

Para ter acesso ao edital do concurso que está com inscrições abertas é só acessar o link http://goo.gl/tOx2MS

Temer afirma na TV que não será candidato à reeleição em 2018

pmdb_temerO presidente interino Michel Temer afirmou hoje (15) que não tem a intenção de se candidatar à reeleição. Em entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo. Temer disse também que, se for confirmado no cargo para cumprir o mandato até 31 de dezembro de 2018, pretende reduzir o desemprego e entregar à população um país pacificado.

O presidente interino acrescentou que, caso cumpra essas tarefas, se dará por satisfeito. “Se cumprir essa tarefa, me darei por enormemente satisfeito.” Diante da insistência da repórter em questionar se ele não será candidato em nenhuma hipótese, Temer respondeu: “É uma pergunta complicada ‘nenhuma hipótese’. De repente, pode acontecer, mas não é minha intenção. E é minha negativa. Estou negando a possibilidade de uma eventual reeleição, até porque isso me dá maior tranquilidade. Não preciso, digamos, praticar atos conducentes a uma eventual reeleição. Posso até ser impopular, desde que produza benefícios para o país.”

Sobre as críticas pela ausência de mulheres nos cargos de ministros em seu governo, Temer destacou que o mais importante não é ter o rótulo de ministro. Afirmou que um dos cargos de maior destaque da Presidência da República, que é a chefia de gabinete, é ocupada por uma mulher.

Informou ainda que serão ocupados por mulheres cargos de destaque nas secretarias de Cultura, Ciência e Tecnologia e das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

Centrais sindicais

Na entrevista, Temer disse ainda que vai demitir ministro que cometer irregularidades. “Se houver um equívoco, ou equívocos administrativos, e, no particular, se houver irregularidades administrativas, eu demito o ministro”, assegurou o presidente interino, que tomou posse e empossou os  novos ministros na quinta-feira (12).

O presidente interino Michel Temer deve se reunir na tarde desta segunda-feira (16) com centrais sindicais para debater propostas de mudanças na Previdência Social. O encontro está previsto para ocorrer às 15h, no Palácio do Planalto. Foram convidados a participar centrais como UGT e Força Sindical. também devem participar da conversa os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Aos 85 anos, morre em São Paulo o cantor Cauby Peixoto

ABr

Um dos maiores cantores da música brasileira, Cauby Peixoto morreu na noite desse domingo (15), aos 85 anos, em São Paulo. Ele estava internado desde o dia 9 de maio no Hospital Sancta Maggiore, no Itaim Bibi, na zona sul de São Paulo. Segundo o fã clube do artista, ele morreu por volta da meia-noite de ontem. O hospital informou que o cantor teve um quadro de pneumonia.

Cauby Peixoto Barros nasceu em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, em 10 fevereiro de 1931. Cresceu em uma família de artistas. Trabalhou no comércio até começar a participar de programas de calouros no rádio, no fim da década de 40. Gravou o primeiro disco em 1951. Foi um dos grandes nomes da chamada “era de ouro do rádio” no Brasil.

Em 65 anos de carreira, teve grande sucesso com músicas como Blue Gardenia, Conceição,Mil Mulheres, Bastidores, New York, New York eNada Além.

Cauby Peixoto  estava em turnê pelo Brasil com a cantora Angela Maria.

Ainda não foram divulgadas informações sobre o velório e o enterro do artista.

Ministro de Minas e Energia se reúne em Brasília com representantes do setor

Fernando filho Agência Brasil

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, está reunido neste momento em Brasília com integrantes das associações ligadas ao setor energético. O ministro que ouvir as demandas das áreas de geração, transmissão e distribuição, além de representantes dos consumidores.

O novo ministro de Minas e Energia tomou na quinta-feira (12), em cerimônia no Palácio do Planalto, com o presidente em exercício, Michel Temer, quando prometeu montar sua equipe ouvindo representantes do setor e destacou que pretende ampliar o diálogo com o Congresso Nacional para aprovação de matérias importantes.

Fernando Coelho também disse que irá trabalhar para buscar investimentos privados para o setor. “Temos de dar previsibilidade às regras, aos contratos, porque o país vai voltar a crescer e a precisar de energia. Precisamos preparar as bases para que os investidores, nacionais ou estrangeiros, possam ter a tranquilidade de poder voltar a investir no Brasil”, disse na ocasião.

Natural de Recife, Fernando Filho é administrador de empresas e está em seu terceiro mandato como deputado federal pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) de Pernambuco.

PT deve fortalecer oposição em Pernambuco

teresa e brunoO reordenamento do PT no Estado passará também pelo fortalecimento da oposição do partido ao PSB, especialmente no governo do Estado e na Prefeitura do Recife. É o que afirma o presidente do partido em Pernambuco, Bruno Ribeiro. Segundo ele, o que estimulou uma atuação mais enérgica foi a votação de parlamentares socialistas, na Câmara dos Deputados e no Senado, a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT).

“A situação foi agravada pela posição que o PSB adotou na votação na Câmara. O PSB foi o partido que fez a diferença, rompendo com sua linha histórica, contraditório com o que viveu Arraes em 64, deram os votos que definiram a aprovação do impeachment na Câmara”, disse Ribeiro.

Ele citou o placar da votação na Câmara, onde o impeachment foi aprovado com 367 votos, 25 a mais que os 342 necessários para dar prosseguimento ao processo. “O PSB tem 33 deputados. Foi um partido que foi definidor para o início da fraude”, explicou.

Ainda de acordo com o petista, o acirramento da oposição se dará, principalmente, na avaliação dos votos do impeachment. “Vamos denunciar que o PSB, os seus deputados e seus senadores votaram para anular os 3,4 milhões de votos que Dilma recebeu em Pernambuco no segundo turno, sem haver crime de responsabilidade. Participaram com muita ênfase na ruptura e foram recompensados”, disse Ribeiro, referindo-se à nomeação do deputado federal Fernando Bezerra Filho para  o ministério de Minas e Energia. “Isso  vai custar muito á biografia do partido e dos seus membros”, acrescentou.

Bruno Ribeiro também comentou a indicação de nomes de políticos pernambucanos para os ministérios do governo interino e reiterou que o PT fará oposição. “ Nós não reconhecemos a legitimidade de governo. Oposição é uma condição muito importante numa democracia. Se perde uma eleição, passa a fazer a crítica, a fiscalização, propõe. Nesse caso, a nossa relação com esse governo, e isso repercute em Pernambuco, é de continuidade da denúncia e da resistência da ruptura à democracia. Isso vai ser também elemento importante na campanha em 2016 no Recife e no Estado todo”, completou.

De olho em 2018, PSDB e DEM já pensam em reedição da União por Pernambuco

Bruno araujo

Levados a sair da gestão Paulo Câmara (PSB), integrantes do PSDB e do DEM já falam, nos bastidores, no possível ressurgimento do mesmo grupo político que formou, lá atrás, a União por Pernambuco; agora capitaneado pelo PSDB, de olho nas eleições de 2018. O cálculo não exclui o PMDB, do deputado federal Jarbas Vasconcelos, nem uma aproximação com o bloco do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), que já teve vários atritos com o núcleo do governador e do prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB).

“O que se encaminha é o surgimento de um novo polo de poder. Ou você acha que PSDB, DEM e outros partidos não vão conversar para criar um novo polo político em Pernambuco? Forçadamente, o PSB vai alimentando a construção dessa frente”, alerta um tucano.

A empolgação é resultado, principalmente, das nomeações dos deputados federais Bruno Araújo (PSDB) e Mendonça Filho (DEM) para os ministérios do governo Michel Temer; o que já teria modificado a correlação de forças no Estado. A hegemonia que o PSB conquistou durante a gestão Eduardo Campos não seria mais a mesma, na leitura de observadores. O desempenho da gestão Temer, que também conta com Fernando Filho (PSB) em Minas e Energia, pode ser fundamental para consolidar essa movimentação.

Na Educação e Cultura, Mendonça Filho comandará o quarto maior orçamento da Esplanada. Já Bruno coordenará obras importantes para Pernambuco, como a navegabilidade e os corredores de ônibus do Grande Recife. Só via Minha Casa, Minha Vida, o Ministério das Cidades afirma ter investido vistosos R$ 8,7 bilhões no Estado, contratando 145 mil unidades habitacionais. O cargo dá ao tucano a premissa de circular pelo interior e atrair o apoio de prefeitos.

“Essa aliança que foi formada na última eleição não mais existe no momento e dificilmente será reeditada em 2018”, afirma o deputado federal Daniel Coelho (PSDB), pré-candidato a prefeito do Recife. “Do mesmo jeito que a gente está vivendo uma transformação rápida no plano nacional. O local também vai passar por transformações. É possível um novo quadro de alianças”, adianta.

A eleição deste ano vai ter um papel importante nesse cenário. Além da Capital, onde PSDB e DEM baterão de frente com Geraldo Julio, tucanos e socialistas se enfrentam em cidades estratégicas, como Olinda, Caruaru e Cabo de Santo Agostinho. Dada como certa, a aliança em Jaboatão dos Guararapes deixou de ser martelo batido. Em Petrolina, o vice Guilherme Coelho (PSDB), agora deputado federal, não está descartado na disputa contra o PSB.

Líder da União por Pernambuco no passado, o PMDB ainda é uma incógnita. Além do presidente do partido, Raul Henry, ocupar a vice de Paulo Câmara, há um grupo de peemedebistas alinhado com Geraldo Julio e Jarbas, que já garantiu apoiar o PSB no Recife.

O ex-governador, porém, segue com prestígio em Brasília, junto a Temer, e de olho na presidência da Câmara, em 2017, quando o cargo não será mais um mandato-tampão; o que pode lhe dar ainda mais musculatura política. Quando era lembrado como candidato a prefeito, Jarbas sempre recebeu acenos de Daniel e Priscila Krause, a candidata do DEM no Recife. As informações são do Jornal do Commercio.

Meirelles quer nova CPMF

henrique-meirellesLeandro Mazzini – Coluna Esplanada

Nos bastidores, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avalia que será preciso criar um tributo para aumentar a arrecadação da União porque o buraco nas contas públicas neste ano pode ficar entre R$ 120 bilhões e R$ 150 bilhões, segundo avaliações iniciais do novo governo.

O mais provável é que, em algum momento, o governo proponha a recriação da CPMF. Só no ano que vem, esse tributo seria responsável por arrecadar cerca de R$ 60 bilhões. Temer assumiu o governo pedindo a Meirelles que implemente antes outras medidas e evite aumentar impostos na largada.

O objetivo é mostrar que o governo fará um esforço inicial para cortar gastos a fim de criar um ambiente favorável à aprovação da nova CPMF.

Meirelles considera que um novo tributo poderá ser fundamental para equilibrar as contas públicas no médio e longo prazo. O governo Dilma já havia pedido ao Congresso para mudar a meta fiscal para um deficit de R$ 96 bilhões, mas a nova administração avalia que o rombo é maior do que esperado.

Presidente de El Salvador não reconhece governo Temer

Presidente de El SalvadorJC online

O presidente de El Salvador, Salvador Sánchez Cerén, anunciou neste sábado (14) que não reconhecerá o governo interino de Michel Temer, por considerar que o afastamento de Dilma Rousseff é “uma manipulação política”, que levou “à configuração de um golpe de Estado”.

“Analisamos a situação e tomamos a decisão de não reconhecer esse governo provisório do Brasil, porque há uma manipulação política”, declarou o presidente Cerén em discurso sobre seu programa “Governando com o povo”, na cidade de Izalco, 61 km ao oeste de San Salvador.

Sánchez Cerén afirmou ainda que outra decisão tomada foi convocar a embaixadora salvadorenha no Brasil, Diana Marcela Vanegas. A diplomata recebeu instruções de não participar de qualquer ato oficial do governo Temer.

Para o presidente salvadorenho, o que aconteceu com Dilma “é um fato que, antes na América Latina, há muitos anos, eram golpes dados pelas forças militares, eram golpes militares. Agora, foi uma destituição [SIC]pelo Parlamento, pelo Senado”.

Em nota, a Chancelaria salvadorenha ressaltou que o afastamento de Dilma Rousseff “confirma as considerações feitas no Brasil, assim como no nível internacional, no sentido de que assistimos, infelizmente, à configuração de um golpe de Estado”.

“Há uma manipulação política”, frisou Sánchez Cerén, acrescentando que seu governo se manterá observando o desenvolvimento dos acontecimentos no Brasil, onde – completou – “se está enfraquecendo a democracia”.

Desde o governo antecessor de esquerda de Mauricio Funes (2009-2014), El Salvador tornou sua relação com o Brasil mais estreita, sendo esse perfil mantido pelo presidente Sánchez Cerén.

“O governo salvadorenho permanecerá acompanhando os acontecimentos e continuará, conforme sua evolução, atualizando suas medidas sobre a situação no Brasil”, declarou o Ministério das Relações Exteriores.

Afastada da Presidência, Dilma dedica fim de semana à família no Sul

Presidente dilmaA presidente da República afastada, Dilma Rousseff, está na capital gaúcha para descansar ao lado da família. Ela chegou na noite de sexta-feira (13) à base área de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, e de lá seguiu de carro para seu apartamento, na zona sul da cidade. De acordo com a assessoria da Dilma, o objetivo da viagem é unicamente familiar. A petista quer aproveitar o fim de semana para ficar com a filha, Paula, e os dois netos, Gabriel, de 5 anos, e Guilherme, nascido em janeiro, informa o Diário de Pernambuco.

Neste sábado (14), ela andou de bicicleta na primeira hora da manhã, como costuma fazer quando está em Brasília. Dilma pedalou das 7h15 às 8 horas, na orla do Guaíba, acompanhada de seguranças. Depois, retornou para casa.

Esta é a primeira vez que Dilma sai de Brasília desde que foi afastada da Presidência. Enquanto aguarda o julgamento do processo de impeachment no Senado, sua residência oficial continuará sendo o Palácio do Alvorada. Dilma também deverá fazer um giro pelo Brasil e por alguns países do exterior para defender seu mandato. Mas tudo indica que, entre uma agenda e outra, vai intensificar as visitas a Porto Alegre.

A capital gaúcha, onde fez carreira política e constituiu família, é o destino preferido de Dilma nos feriados e fins de semana de descanso. Além de ficar ao lado da filha e dos netos – ela é uma avó coruja assumida -, quando está na cidade ela costuma visitar o ex-marido, o advogado Carlos Araújo, considerado seu “conselheiro informal”.

Embora o foco em Porto Alegre seja a família, a presidente afastada poderá aproveitar as passagens pela cidade para fortalecer os laços com os movimentos sociais e mobilizar os apoiadores. No domingo passado, quando também estava na capital gaúcha, Dilma atendeu a pedidos e desceu na portaria de seu edifício para receber flores de simpatizantes que se reuniram para lhe desejar um feliz Dia das Mães.

Nesta sexta-feira, a Frente Brasil Popular no Rio Grande do Sul chegou a convocar um ato para receber a petista no aeroporto de Porto Alegre. A previsão era de que ela desembarcaria mais cedo, ainda à tarde. Como Dilma decidiu dar entrevista a jornalistas estrangeiros em Brasília, a viagem atrasou e o evento de boas-vindas foi cancelado. Os movimentos sociais não descartam a possibilidade de realizar alguma manifestação de apoio à presidente afastada ao longo deste fim de semana.

Dilma deve retornar a Brasília na segunda-feira de manhã, para uma série de reuniões. A ideia é avançar na formulação de uma estratégia política para o período de afastamento. O assunto também será discutido na reunião do Diretório Nacional do PT, marcada para terça-feira, na capital federal.

A partir da diretriz nacional, os diretórios estaduais da legenda vão planejar ações no médio prazo. “A tendência é que o debate (em torno do impeachment) se acirre”, disse ao Broadcast o presidente do PT-RS, Ary Vanazzi. “Queremos, daqui pra frente, ter mobilizações articuladas, com a participação da Dilma.”

Aos jornalistas estrangeiros, Dilma afirmou nesta sexta-feira que confia que terá sucesso no julgamento do impeachment pelo Senado brasileiro. “Eu acredito na minha defesa”, revelou. “Eu viajarei para onde for convidada para me defender.”

Mais Médicos terá menos estrangeiros

Mais medicosJC online

A participação de estrangeiros no Mais Médicos será reduzida depois das eleições municipais. A ideia do Ministério da Saúde é renegociar, no próximo ano, o contrato feito com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), para o recrutamento dos profissionais. Hoje, 73% dos que atuam são estrangeiros. A maioria é de cubanos.

A mudança não será de uma só vez. O ministro Ricardo Barros, ao assumir, afirmou apenas que iria incentivar a participação de brasileiros. A ideia de anular o contrato, recentemente prorrogado pela presidente afastada, Dilma Rousseff, foi descartada, a princípio. Ele preferiu adotar uma regra de transição. Com isso, agrada ao mesmo tempo associações médicas, críticas do projeto, e prefeitos – favoráveis.

A intenção é fazer um ajuste programado, até que o número de profissionais trazidos pela Opas se reduza de forma expressiva. Só ficariam aqueles que têm vagas consideradas de difícil preenchimento, como as dos distritos sanitários indígenas e das cidades afastadas.

Lançado há três anos em uma resposta às manifestações de rua que reivindicavam melhorias nos serviços de saúde, o Mais Médicos somente foi adiante em virtude da contratação de estrangeiros. Para driblar a resistência de médicos brasileiros, o governo permitiu que formados em outros países atuassem no Brasil sem a necessidade da validação do diploma.

Essa era a maior crítica de entidades de classe, que chegaram até mesmo a romper com o Ministério da Saúde. Para associações médicas, o ideal seria criar, em vez do Mais Médicos, uma carreira federal para a área, a exemplo da magistratura.

A lei que criou o Mais Médicos previu um prazo de três anos para que estrangeiros trabalhassem no programa sem validação do diploma. Há duas semanas, no último ato da presidente Dilma Rousseff na área de saúde, o prazo foi prorrogado. Com isso, 7 mil profissionais, que teriam de voltar agora para seus países de origem, podem permanecer no Brasil.

A medida, de acordo com a presidente afastada, Dilma Rousseff, foi feita para atender a pedidos de prefeitos. O medo maior era de que, às vésperas das eleições municipais, serviços de saúde tivessem uma redução abrupta no atendimento.

GASTOS – Barros ainda criticou a forma como recursos de saúde são usados. Já avisando que “não há dinheiro para tudo” nem perspectiva de reforço no orçamento, ele disse ser necessário gerir melhor a verba. De olho na indústria farmacêutica, porém, afirmou que vai também adotar medidas para tornar mais rápido o registro de medicamentos, com o aproveitamento, por exemplo, de pesquisas em outros países. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deputado suplente do novo ministro da Saúde está preso por agredir ex-noiva

Osmar Bertoldi (DEM-PR), preso desde fevereiro na cidade de Pinhais, no Paraná, acusado de agredir a ex-noiva

Osmar Bertoldi (DEM-PR), preso desde fevereiro na cidade de Pinhais, no Paraná, acusado de agredir a ex-noiva

JC online

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) assumiu o Ministério da Saúde do governo Michel Temer nesta quinta-feira (13), abrindo espaço para que um suplente o substitua na Câmara. Mas não é tão simples assim. O candidato mais votado da sua coligação, que possuiria prioridade para assumir o cargo, é o ex-deputado estadual Osmar Bertoldi (DEM-PR), preso desde fevereiro na cidade de Pinhais, no Paraná, acusado de agredir a ex-noiva. A defesa entrou com um mandato de segurança para que ele possa exercer a função.

Contra Bertoldi pesam cinco acusações: violência doméstica, lesões corporais, constrangimento ilegal, trabalho escravo, ameaças por palavras e estupro. O processo segue em segredo de justiça. A tese da defesa é de que não houve uma agressão “exclusiva” dele, pois “ambos saíram machucados”. A ex-noiva de Bertoldi, Tatiana Bittencourt, contudo, disse ter sido “encarcerada, alvo de socos e chutes, chamada dos piores termos imagináveis, sem acesso a ninguém, apenas pessoas da confiança de Bertoldi que a vigiavam”.

Tatiana denunciou o ex-deputado ao Ministério Público do Paraná no final do ano passado, que aceitou e encaminhou o processo ao Tribunal de Justiça do Estado. Bertoldi foi preso pela Polícia Federal e a Polícia Militar de Santa Catarina em fevereiro, na cidade de Balneário Camboriú, depois de ter sido considerado foragido e ter sido identificado por uma testemunha. A prisão preventiva do ex-parlamentar foi decretada em janeiro porque ele teria violado a Lei Maria da Penha ao tentar se aproximar de Tatiana.

Como primeiro suplente da chapa, Bertoldi já poderia ter assumido duas vezes, no caso da vaga do deputado federal Valdir Rossoni (PSDB-PR), que assumiu a secretaria da Casa Civil do Paraná, e de Reinhold Stephanes (PSD-PR) que assumiu a secretaria de Administração do Estado. Em seu lugar, ocuparam as vagas Paulo Martins (PSDB-PR) e Nelson Padovani (PSDB-PR). A defesa do paranaense entrou com um pedido de habeas corpus para que ele pudesse assumir as vagas, mas o pedido foi negado.

Seus advogados também entraram há cerca de um mês com um mandato de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF). O caso foi sorteado para o ministro Luiz Fux, mas ainda não foi analisado. Caso seja aprovado, a defesa defenderá que Bertoldi assuma a suplência da vaga de Ricardo Barros. A expectativa do advogado eleitoral de Bertoldi, Guilherme Gonçalves, é que o pedido seja analisado nos próximos dias. A defesa questiona que Bertoldi deveria ter sido notificado sobre a abertura das vagas, pois tinha direito “líquido e certo” sobre elas, mas ao invés disso o segundo suplente foi chamado diretamente.

Para Gonçalves, o ex-deputado também deveria ser notificado formalmente sobre a abertura da vaga de Barros. “O fato de ele ter a chance de tomar posse torna a questão dele mais relevante do que um mero direito individual”, opinou. O advogado justifica a soltura do seu cliente dizendo ele não apresentaria mais nenhum risco para a vítima, pois teria que se mudar para Brasília, ficando mais afastado. A Secretaria da Mesa da Câmara informou que, antes de comunicar a abertura da vaga, verificará se Bertoldi continua preso na próxima semana. Se ele estiver, será chamado o segundo suplente, Sérgio de Oliveira (DEM-PR).

OAB defende saída de ministros de Temer investigados pela Lava Jato

OAB-logoG1

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, defendeu neste sábado (14) que políticos investigados pela operação Lava Jato, que apura corrupção na Petrobrás, não devem ocupar ministérios do governo do presidente em exercícioMichel Temer.

“Quem é investigado pela Operação Lava Jato não pode ser ministro de Estado, sob o risco de ameaçar a chance que o Brasil tem de trilhar melhores rumos”, diz Lamachia em nota. “Faço o alerta de que a nomeação de investigados contraria os anseios da sociedade e não deveria ser feita.”

De acordo com o Blog do Matheus Leitão, dois ministros de Temer, Romero Juca (PMDB-RR), do Planejamento, e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), do Turismo, são investigados pela Lava Jato. A decisão do presidente em exercício dá aos dois foro privilegiado.

O ex-diretor da Petrobras e delator Paulo Roberto Costa afirmou que negociou com Jucá apoio para sua permanência no cargo em troca de propinas ao partido. Já Alves é suspeito de receber propina disfarçada de doações eleitorais de Léo Pinheiro, dono da OAS.

Justiça Lamachia afirma que a OAB poderá entrar na Justiça para pedir a saída desses ministros, caso eles se tornem réus nos processos que apuram as suspeitas de envolvimento com o escândalo na estatal.

“No futuro, se necessário, a Ordem avaliará o uso dos instrumentos jurídicos cabíveis para requerer o afastamento das funções públicas dos ministros que se tornarem réus. Foi com base nesse entendimento que a OAB pediu o afastamento do deputado Eduardo Cunha e do então senador Delcídio do Amaral.”

Ainda na nota, Lamachia diz que “todos os cidadãos têm direito à ampla defesa e ao devido processo legal.” Entretanto,  aponta que o ministério “precisa estar acima de qualquer suspeita.”

“Os investigados devem poder se defender sem, para isso, comprometer a credibilidade dos ministérios.”

Para o presidente da OAB, é preciso que Temer faça de seu governo “um exemplo ético” para “validar a legitimidade.”

“Considero que o novo governo, alçado ao poder pela via constitucional e não pela via eleitoral, precisa ser um exemplo ético para poder atender aos anseios da sociedade e validar sua legitimidade.”

“A OAB torce pelo sucesso do Brasil. Por isso, cobrará que, diferentemente do anunciado, o novo ministério não seja composto por pessoas sobre as quais pesem dúvidas”, diz Lamachia na nota.

PSB se reúne em Tabira e indefinição permanece

psb_tabirapor Anchieta Santos

Mais uma reunião e pouca definição no PSB de Tabira. Depois da desistência do vereador Zé de Bira e dos demais pré-candidatos Joel Mariano, Edmundo Barros, Sebastião Ribeiro e Marcos Crente o partido socialista bate cabeça na busca por um nome para liderar sua chapa majoritária.

Da reunião de ontem, também participaram o ex-prefeito Josete Amaral e o assessor do Governo do Estado, Adelmo Moura.

Como maior liderança do bloco socialista, o ex-prefeito Josete Amaral (PSB) saiu da reunião encarregado de contactar lideranças para reforçar o palanque e encontrar o nome ideal.

O que ninguém está entendendo é porque depois de tanta gente se apresentar como pré-candidato no PSB, aparecer agora como desistentes, mesmo podendo polarizar a disputa com Nicinha de Dinca(PMDB), uma vez que a rejeição do Prefeito Sebastião Dias (PTB) bate nas alturas.

Presidente da Andes se reúne com a ministra Nancy Andrighi

bartolomeu_buenoO presidente da Associação Nacional dos Desembargadores (Andes), Bartolomeu Bueno, se reuniu na última quarta-feira (11), com a ministra Nancy Andrighi, para discutir diversos temas de interesse da magistratura brasileira. A reunião ocorreu no gabinete da ministra, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília.

Foi um encontro muito proveitoso, uma visita de cortesia, ressaltou o desembargador Bartolomeu Bueno. Na ocasião, ele apresentou o estatuto da Andes; a agenda de trabalho para o triênio 2016/2018; discutiram sobre a substituição da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) pelo Estatuto da Magistratura, conforme a Constituição Federal de 1988; além dos projetos de interesse dos magistrados de 1º e 2º graus, que estão em tramitação, no Congresso Nacional.

Por fim, Bartolomeu Bueno solicitou um levantamento dos procedimentos disciplinares abertos contra desembargadores, perante o Conselho Nacional de Justiça, bem como a inclusão da Andes na agenda de audiências públicas a serem promovidas pelo CNJ.