Visita de Lula a Pernambuco é adiada e deve ocorrer em agosto

Ex-presidente vem ao estado para ter encontros com lideranças políticas e grupos sociais.

Antes prevista para junho e depois para julho, a visita do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a Pernambuco agora tem nova previsão para ocorrer: em  agosto.

O adiamento se deu porque o líder petista que aproveitar o mês de julho junto aos familiares.

Outro fator que influenciou na decisão de adiar é que Lula quer vir para mais de um estado do Nordeste na viagem e vai levar em conta, segundo interlocutores, a situação da pandemia. Pernambuco é um dos que é dado como certo no giro pela região. O petista também deve passar por pelo menos outro estado.

Lula pretende ter agendas com lideranças políticas locais e grupos sociais com o objetivo de estreitar laços antes da disputa eleitoral de 2022.

No radar do ex-presidente está uma agenda com a vice-governadora Luciana Santos (PCdoB) e com o governador Paulo Câmara, do PSB, partido que está na mira do PT para a coligação de 2022. O chefe do Poder Executivo Estadual já teve reunião virtual com Lula após a retomada da elegibilidade do petista, depois da anulação das condenações na Operação Lava Jato por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e da decretação da parcialidade do ex-juiz Sergio Moro no julgamento do caso do tríplex do Guarujá.

Além disso, o líder petista deseja conversas com membros do PT de Pernambuco para tentar buscar a unidade na sigla no âmbito local. O partido está tenso e com disputas internas nos últimos anos.

Lula vê Pernambuco como um estado essencial para 2022 e quer o PT unido aqui, sem arestas atuais, como as entre os grupos do senador Humberto Costa e da deputada federal Marília Arraes.

O ex-presidente entende que, seja para ter aliança ou não com o PSB em 2022, é preciso haver união no PT local. Em Pernambuco, o PSB deve lançar o ex-prefeito do Recife Geraldo Julio como candidato a governador no próximo ano.

Integrantes do PT defendem que Lula faça reuniões com os deputados federais Eduardo da Fonte (PP) e Silvio Costa Filho (Republicanos), cotados para disputar o Senado na chapa do PSB, que poderá ter o PT na coligação, em 2022, e com o ex-senador Armando Monteiro Neto, que está no PSDB e defende uma alternativa a Lula e a Bolsonaro na eleição do próximo ano, mas tem diálogo aberto com o petista. Segundo apurou o Blog, Eduardo da Fonte e Silvio Costa Filho não resistem a encontro com Lula.

Outro que vai se encontrar com Lula é João Paulo, ex-prefeito do Recife e atual deputado estadual pelo PCdoB, que já selou a volta ao PT.

A ideia é fazer encontros com uso de máscara, distanciamento e com poucas pessoas prsentes, como ocorreu em Brasilia em maio e no Rio de Janeiro em junho. Lula tem intensificado diálogos com liderança partidárias de esquerda e de partidos de centro.

Também está nos planos do ex-presidente uma conversa com a ex-primeiradama de Pernambuco, Renata Campos. Lula tem boa relação com a família do ex-governador Eduardo Campos, morto em 2014 em acidente aéreo.

Fonte: JC

Deixe uma resposta