Rajada de balas contra radialista no Sertão

unnamed

Por Cláudio Soares

O radialista Anchieta Santos tem sua casa alvejada de balas na madrugada de domingo, em sua cidade natal, Afogados da Ingazeira. O relato aparece também em boletim de polícia registrado na delegacia da cidade mencionada.   Sobre a violência contra jornalistas, radialistas e liberdade de imprensa no Pajeú, as estatísticas têm crescido assustadoramente.

É de costume que jornalistas e radialistas sejam ameaçados ou amedrontados, sem condições dignas de trabalho, ficam limitados na sua missão profissional de informar a sociedade para dar a ela um importante instrumento de constituição e exercício da cidadania. E essas variadas formas de violência são violações do direito humano à comunicação, às liberdades de expressão e de imprensa.

Devemos defender, veementemente, peremptoriamente, a liberdade de expressão nos diversos segmentos, inclusive, nas rádios, e sermos adeptos que os cidadãos tenham o direito de receber informações sobre tudo o que se passa no Brasil. Não há nenhuma possibilidade de se ter uma imprensa livre sem que seus profissionais atuem igualmente de forma livre ou tenham suas vidas e de seus familiares atingidas por bandidos do anonimato.

Anchieta Santos é um veterano na comunicação – seu perfil tem sido centrado mais na política. O radialista foi o principal locutor das diretas já em Pernambuco, também, locutor oficial da campanha do presidente Lula nos seus dois mandatos, e, por diversas campanhas sempre comandou o palanque ao lado do mito pernambucano Miguel Arraes. Foi também o principal apresentador das campanhas do ex-governador Eduardo Campos. Por último, comandou no estado o palanque da vitoriosa eleição do atual governador, Paulo Câmara.

Atualmente, Anchieta apresenta uma edição de notícias nas rádios Pajeu de Afogados da Ingazeira e Cidade FM de Tabira. Locutor de vozeirão e mestre na versatilidade, ele sempre provoca o debate, faz críticas, oferece sugestões, e nunca fechou o microfone para o público ou para contraditório.

Todos se encantam com o mundo de notícias e as apresentações de Anchieta. Versátil, independente, imparcial, destemido, habilidoso nas entrevistas, respeitador… Seu principal objetivo é informar, nunca estigmatizar, hostilizar, ou atingir a honra de ninguém.

É no sertão que o locutor de rádio pode ser comparado a um ator. A partir do momento que ele entra no ar, esquece os seus problemas e incorpora um personagem. Uma figura séria, agradável de ouvir. Não esqueça: Anchieta mudou o jeito de fazer rádio e, consequentemente, a vida de muitas pessoas.  Faz do seu trabalho uma arte.

A palavra agora está com a polícia que não pode deixar a impunidade reinar no sertão. A tentativa de atemorizar, insensibilizar a sociedade como um todo, consiste em tentar calar a voz do povo. Anchieta sempre defendeu aqueles que têm sede justiça. Então reagir a isso é um dever de toda classe. Precisamos estar alertas e precisamos nos mover como sociedade em nome inclusive destes companheiros que têm suas vidas ameaçadas.

Publicado no Blog do Magno

Deixe uma resposta