“Não existe só o futebol como esporte”, reclama ultramaratonista à prefeitura de Tabira

O tabirense Luiz Carlos Alves, ultramaratonista, irá participar neste final de semana da Maratona Cânions Ultramaratho Xtreme, na cidade de Piranhas, em Alagoas, sendo mais um desafio para o atleta que percorrerá 100 km na prova.

Luiz já participou de outras competições e conquistou lugares importantes. Em 2018, participou de uma maratona que saiu da cidade de Caruaru com destino a Garanhuns, e ficou entre os cinco melhores atletas. Já em 2019, o percurso foi entre Maceió à Maribondo (AL), exatos 101 km, sendo ele o primeiro atleta pernambucano a conseguir um lugar no pódio nessa prova, ficando em terceiro lugar.

Apesar de todas as conquistas, o tabirense encontra pela frente uma dificuldade: a falta de patrocínio. Em relato ao Programa Cidade Alerta, da Rádio Cidade FM, desta quinta-feira (24), o ultramaratonista falou que a falta de incentivo no esporte afeta o desempenho de atletas.

Levando o nome de Tabira e do Pajeú em suas corridas, Luiz Carlos, disse que chegou a procurar a diretoria de esportes de Tabira, cerca de quatro meses atrás, mas nenhuma ajuda foi dada. Ficou a promessa, no entanto, nem as ligações atendem mais.

“Não existe só o futebol como esporte”, desabafa o atleta.

E segue: “O governo municipal teria que ter uma visão maior porque quando nós atletas vamos ao pódio, seja qual foi a modalidade do esporte, eles anunciam atleta ‘fulano de tal’, de tal cidade, então estamos levando o nome de Tabira, Brasil a fora. Será que estamos sendo reconhecidos pelo governo local?”, indaga.

Deixe uma resposta