Mais de 11 milhões de brasileiros deixam declaração do IR para a última hora

Mesmo com o fim do prazo de entrega se aproximando – faltam apenas quatro dias para 30 de abril –, cerca de 11 milhões de contribuintes deixaram para a última hora e não apresentaram a declaração do Imposto de Renda. Na mesma altura de 2014, a Receita ainda esperava aproximadamente 12 milhões de formulários, do total de 27 milhões. Para os que estão correndo contra o tempo, a principal indicação é não deixar de prestar contas, mesmo que uma declaração retificadora precise ser preenchida depois. “E não espere até o último dia, para não ter problemas com instabilidades na internet ou com a transmissão da declaração porque colocou algum dado errado”, lembra o consultor tributário Antônio Teixeira, da IOB Sage.

Para Reginaldo Gonçalves, coordenador do curso de ciências contábeis da Faculdade Santa Marcelina (FASM), é possível fazer uma declaração correta na contagem final. “Antes de começar o processo, tenha todos os documentos necessários em mãos: informes bancários e de rendimentos, recibos de pagamentos, comprovantes de compra e venda de veículos e imóveis”, recomenda. Com base nos documentos, o contribuinte deve conferir se está enquadrado em algum dos critérios de obrigatoriedade estabelecidos pelo fisco. Este ano, devem declarar o IR todos aqueles que tiveram, em 2014, rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55 ou isentos superiores a R$ 40 mil — como Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), lucro da poupança, herança e doação; ganho de capital ou realizou operações em bolsa de valores; renda proveniente de atividade rural acima de R$ 134.082,75 ou que possua bens cujo valor total exceda R$ 300 mil.

Quem faz em cima da hora tem que ficar atento a lapsos como os erros de digitação: por mais que sejam pequenos, os equívocos são identificados pela Receita Federal e podem até levar à malha fina. “É muito comum que troquem a vírgula pelo ponto, ou que se esqueçam de inserir o dígito separador, o que altera o valor e gera inconsistências”, alerta Gonçalves, da Faculdade Santa Marcelina.

Outro erro comum é se esquecer de informar um rendimento tributável, que será declarado pela fonte pagadora. “Esquecer rendimentos, como um aluguel, pode gerar uma restituição a que o titular não tem direito na realidade. Todos os valores recebidos devem ser inseridos, inclusive os dos dependentes”, explica Dora Ramos, diretora da Fharos Contabilidade. “As recomendações são as mesmas do início do prazo: juntar a documentação e fazer uma checagem antes de enviar. A diferença é que agora a pessoa deve redobrar a atenção e não ceder à pressão do tempo”, completa.

Deixe uma resposta