Governo de PE anuncia concurso para contratar policiais civis e militares

e3849b35c263efde61253c0df82c6757O governo de Pernambuco anunciou que vai realizar concursos para recompor os quadros das polícias Militar, Civil e Científica ainda em 2015. Estão previstas 1.500 vagas para a Polícia Militar, 500 vagas para agentes e 50 para escrivães da Polícia Civil e 316 para a Polícia Científica, de acordo com o governador Paulo Câmara. A informação foi repassada durante entrevista coletiva, nesta quinta (07), que anunciou uma série de medidas para tentar conter o índice crescente de homicídios no estado.

Foram registrados, em média, dez homicídios por dia neste ano, segundo dados da Secretaria de Defesa Social. “Temos um plano de ação determinado para cada região em que houve aumento, para colocar em prática já no mês de maio, buscando reduzir esse número. Nós não estamos satisfeitos com esses números, Pernambuco aumentou a violência em 2014 e não conseguimos diminuir em 2015”, admite o governador.

A promessa é que os concursos sejam realizados ainda em 2015, com contratação dos profissionais a partir de 2016. “Esses concursos da área de segurança têm várias etapas que exigem tanto a prova escrita quanto treinamento, exames físicos e investigação social. Eles vão estar prontos a partir de 2016 para ingressar em nosso quadros, quando a gente espera uma melhoria das finanças do estado e do Brasil”, aponta Câmara.

Além dos concursos, cerca de mil policiais militares que passam por curso de formação devem estar aptos a ir para as ruas a partir de julho deste ano. Uma das preocupações é trabalhar também a questão dos crimes de proximidade, que representam cerca de 30% de todos os crimes cometidos no estado — discussões entre vizinhos, confusões no trânsito ou conflitos dentro de casa são exemplos de crimes de proximidade.

“Nós temos um desequilíbrio social em nosso estado que precisa ser trabalhado. Nós temos que ser incansáveis com as pessoas que continuam praticando a bandidagem e precisamos trabalhar com muita prevenção, para evitar os crimes de proximidade, muitas vezes banais, que podem ser evitados com políticas sociais, com campanhas de esclarecimento, e qualificação profissional”, acredita o governador. Informa o G1/PE.

Deixe uma resposta