Cliente da OI em Pernambuco vai virar cliente da Vivo. Petrolina e região será da Claro; entenda o motivo

Divisão não quer dizer que o cliente dela vão poder escolher para onde vão migrar, Empresas dividirão o mercado e o Nordeste deve ficar com a maioria das contas territorialmente.

Mercado Brasil ficou mais concentrado na área de telefonia móvel

A aprovação da venda das redes de telefonia móvel da Oi para as rivais TIM, Vivo e Claro, em julgamento do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), deixou o mercado brasileiro com apenas três grandes operadoras em nível nacional. Os analistas chamam isso de  “triopólio”.

Mas isso não quer dizer que o cliente dela vão poder escolher para onde vão migrar. Na verdade, as empresas dividiram o mercado e o Nordeste deve ficar com a maioria das contas territorialmente. E isso quer dizer que os clientes da Oi em Pernambuco por exemplo que tem o prefixo 81 vão ser levados para Vivo. Já os clientes que tem prefixo 87 vão ser deslocados para a operadora Claro

Veja no final dessa texto como ficou a dividirão dos clientes da Oi entre as três operadoras.

O Brasil vem tendo mesmo uma concentração das gigantes. A espanhola Telefónica de Espanha que em 2010, a Telefónica adquiriu as ações da Vivo, que pertenciam à Portugal Telecom, se tornando líder do mercado de telecomunicações do Brasil.

A Italiana TIM que iniciou suas operações no país em 1998, com a tec- nologia TDMA. Três anos depois, em 2001, já era o único grupo de telefonia móvel presente em todo o Brasil

E a mexicana Claro que chegou ao Brasil em 2004. Em janeiro de 2015, a Claro incorporou as empresas Embratel e NET e passou a ser uma companhia aberta. Após 16 anos de história ela é líder, conforme relatório da OpenSignal, a operadora foi considerada a melhor prestadora de serviço de internet de 2017.

Segundo um estudo da consultoria Teleco com a compra a Vivo se mantém na liderança, passando de 33% para 37,8%. A Claro em segundo e sairá de 27,7% para 32,7%. Finalmente a TIM que sai dos 20,6% para 32,7%.

O problema dessa concentração é que o fatiamento da Oi Móvel entre TIM, Vivo e Claro reduz as opções dos clientes e isso pode acabar fazendo que os clientes acabem pagando mais pelos planos oferecidos por elas.

O CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou, nesta quarta-feira, 9, a venda da Oi Móvel para as operadoras Claro, TIM e Vivo. A operação só poderá ser efetuada, no entanto, se forem aplicados alguns condicionantes antes da assinatura do negócio.

O CADE definiu o chamado Acordo em Controle de Concentrações (ACC):

•desinvestimento, por Claro, TIM e Vivo, de forma independente e por meio de oferta pública, de cerca de metade das estações de rádio-base (EBRs) adquiridas da Oi no contexto do ato de concentração;

•oferta de referência de produtos de atacado para roaming nacional ou ofertas para operadoras de rede móvel virtual classificadas como prestadoras de pequeno porte e que não sejam titulares de autorização de uso de radiofrequências (MVNOs), em todas as tecnologias (incluindo 5G), também para conectividade IoT e M2M;

•TIM e Vivo deverão realizar ofertas de exploração industrial de rede, em todos os municípios brasileiros, com potenciais interessados, tendo por objeto as radiofrequências adquiridas do Grupo Oi, associadas a outros elementos de rede. As empresas também disponibilizarão novas ofertas destinadas a viabilizar a celebração de contrato de cessão temporária e onerosa de direitos de uso de radiofrequência (aluguel de faixa de espectro), por município, com potenciais interessados.

No final a divisão ficou assim:

A Claro herdou 27 DDDs. São eles: 13, 14, 15, 17, 18, 27, 28, 31, 33, 34, 35, 37, 38, 43, 44, 45, 46, 47, 48, 49, 71, 74, 77, 79, 87(prefixo de Petrolina), 91 e 92.

A Vivo ficou com 11 DDDs. São eles: 12, 41, 42, 81(prefixo de Pernambuco), 82, 83, 84, 85, 86, 88 e 98.

A TIM ficou com 29 DDDs. São eles: 11, 16, 19, 21, 22, 24, 32, 51, 53, 54, 55, 61, 62, 63, 64, 65, 66, 67, 68, 69, 73, 75, 89, 93, 94, 95, 96, 97 e 99.

Deixe uma resposta