Armando Monteiro pode ir para o PDT após fusão do PTB com o DEM

b5b592df0afc2a57d9e35cf4da827772

do JC Online

Principal liderança do PTB em Pernambuco, o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro Neto, pode deixar o partido após o movimento de fusão da legenda com o Democratas. O ministro pode migrar para o PDT, assumindo o comando da sigla no Estado, segundo fontes ouvidas ontem pelo JC. A migração ocorreria porque a sigla resultante da fusão fará oposição ao governo federal e Armando integra a gestão da presidente Dilma Rousseff. As posições também são divergentes no Estado, já que o DEM participa do governo Paulo Câmara (PSB) e o PTB lidera a oposição.

Na noite de ontem, a presidente nacional do PTB, Cristiane Brasil (RJ), filha do ex-deputado Roberto Jefferson, comunicou às principais lideranças da legenda que bateu o martelo pela fusão. O gesto ocorreu depois que a Executiva nacional do DEM autorizou, por 21 votos a 4, que o presidente da sigla, o senador José Agripino Maia (RN), avance nas trativas pela fusão. O anúncio oficial deve ser feito até o dia 15 de maio e a fusão ocorre até o fim de agosto para permitir que mudanças de partido sejam feitas dentro do prazo para concorrer nas eleições de 2016.

Algumas pré-condições foram acertadas entre as duas agremiações. O partido continuará com o nome de PTB, mas adotará o número 25 do DEM. A presidência da legenda ficará sobre o comando dos petebistas, enquanto o democratas manteria as lideranças na Câmara e no Senado.

Pernambuco é um dos oito Estados do País onde DEM e PTB terão mais dificuldade na aliança. As conversas com os dois grupos devem ser feitas pelas Executivas nacionais dos partidos.

“Eu não tenho o que negociar com Armando. Eu não abro mão da minha posição de oposição (ao PT). E suponho que ele não abre mão da dele”, explica o deputado Mendonça Filho, presidente estadual do DEM. “Onde eu estiver, estarei dando apoio ao governador Paulo Câmara”, completa.

Na próxima segunda-feira (13), Armando e o presidente do PTB em Pernambuco, o deputado federal José Chaves, devem reunir a bancada federal e estadual do partido para propor uma consulta que definirá se os petebistas locais continuarão na legenda. Chaves disse ao JC que só se pronunciaria após a avaliação interna da sigla.

O presidente do PDT no Recife, o ex-deputado Paulo Rubem, foi vice de Armando nas eleições do ano passado. O pai do ministro, Armando Monteiro Filho, é filiado ao PDT. Uma ala pedetista, porém, integra o governo estadual.

Deixe uma resposta