Abrindo espaço para o PT no governo, Paulo Câmara diz que respeita corrida de André de Paula ao Senado fora da Frente Popular

O governador Paulo Câmara empossou os novos secretários estaduais de Cultura, Oscar Barreto, e de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Edilázio Wanderley

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), afirmou respeitar a decisão do deputado federal André de Paula em se colocar como pré-candidato ao Senado Federal. O anúncio do presidente estadual do PSD foi feito na manhã desta terça-feira (3), no entanto, a coligação pela qual ele irá disputar a única vaga do Estado para a Casa Alta não foi divulgada.

“Nós já conversamos e eu tenho motivos de muita gratidão a ele (André de Paula), por tudo que ele nos ajudou desde a minha entrada, inclusive, na carreira política em 2014. Evidentemente, ele vai tomar sua decisão e nós vamos respeitar porque estamos em um estado democrático de direito. E o André por tudo que representa em Pernambuco, ele tem toda legitimidade de seguir o caminho que ele entender que é o melhor para ele”, declarou o governador.

Na incumbência de coordenar a sua sucessão estadual no PSB, o chefe do Executivo também comentou sobre a possibilidade, não só de o PSD desembarcar oficialmente do palanque da Frente Popular, mas das baixas se estenderem ao Partido Progressista (PP). O deputado federal e presidente estadual do PP, Eduardo da Fonte, também participou ao lado de André de Paula, da coletiva de imprensa realizada na sede do PSD, e declarou que o partido estará ao lado do dirigente pessedista em seu projeto para o Senado.

“Esse processo político envolve esse tipo de movimentação como a gente viu hoje, como algo natural e legítimo. O que nós temos muito claramente é o conjunto de forças que vão nos apoiar nas eleições e vai ser discutido o resto da chapa com essas forças que estão nos apoiando e vamos decidir”, pontuou.

Sobre a apresentação da chapa majoritária completa, o governador Paulo Câmara, respondeu ao JC, que é esperado que até o dia 7 de maio – data de lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), esse imbróglio esteja resolvido. “Foi uma data que achamos necessário estar com tudo resolvido. Se der, vai ser ótimo, mas também não vamos tomar nenhuma decisão que não seja madura e que não esteja de acordo com a unidade necessária”, afirmou.

Posse

Para acomodar o PT, o governador Paulo Câmara empossou, nesta terça-feira (3), os novos secretários estaduais de Cultura, Oscar Barreto, conforme antecipado pelo JC, e de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Edilázio Wanderley, trazido com exclusividade pelo Blog de Jamildo.

Os dois secretários afirmaram que as indicações apresentadas ao governador de Pernambuco, se deram por consenso dentro do Partido dos Trabalhadores. No entanto, essa negociação não teria passado pela discussão sobre apresentar a deputada Teresa Leitão (PT) para a vaga do Senado.

“Acho que uma coisa não está ligada a outra. Esse processo das indicações do meu nome e de Oscar foram muito discutidos dentro do partido. Inclusive foi discutido e aprovado por unanimidade, e isso é fruto de uma construção de uma retomada da aproximação do PT com a Frente Popular. Isso tinha sido feito antes desse modelo da indicação da deputada estadual Teresa Leitão para o Senado”, afirmou Edilázio Wanderley.

Para Oscar Barreto, que já foi secretário de Saneamento do Recife, o partido está muito à vontade em voltar a ocupar a estrutura administrativa estadual. “A volta ao governo foi fruto de muito debate, que terminou com o convite do nosso governador. Portanto, nós vamos nos integrar às ações do governo e trazer a nossa identidade popular, identidade com o conjunto de trabalhadores e trabalhadoras. Ou seja, colocar o governo mais perto desse conjunto da cultura popular”, destacou Barreto.

Deixe uma resposta