A entrevista com Mozart Valadares que desagradou o TJPE

Diante das divergências internas do Poder Judiciário nacional a respeito das prisões e solturas do banqueiro Daniel Dantas, que remetem ao papel da Justiça na sociedade, vale a pena reler a entrevista que o juiz pernambucano Mozart Valadares, presidente da influente Associação dos Magistrados do Brasil, concedeu à Algomais, a revista de Pernambuco.

A entrevista foi publicada na edição 22, de janeiro de 2008.

Na ocasião da entrevista, Valadares preparava-se para assumir a presidência da AMB.

Uma Justiça para o cidadão

O Judiciário está servindo hoje ao infrator, a quem tem uma obrigação e não quer cumprir.

Um matuto de Tabira, no sertão pernambucano, é hoje o representante máximo dos magistrados do País. O juiz Mozart Valadares, 49 anos, que saiu da sua cidade em 1972 para estudar no Recife, foi eleito com mais de 80% dos votos de 13 mil juízes para presidir a Associação dos Magistrados do Brasil (AMB) de 2008 a 2010. Antes de disputar o cargo, Valadares comandou a associação pernambucana de magistrados por dois mandatos e ocupou até dezembro a vice-presidência da AMB. A associação quer promover um arejamento no Poder Judiciário, firmando posições em defesa de uma gestão moderna do poder e da melhoria dos serviços jurídicos, dando condições decentes de trabalho aos juízes de primeiro grau em comarcas distante. Por influência de tios afins, desembargadores do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Mozart Valadares se motivou para a carreira jurídica. Estudou Direito na Universidade Católica. Foi servidor, por concurso do TJP e em 1989, também por concurso, chegou à magistratura. Passou por comarcas do Interior até a assumir a titularidade da Oitava Vara da Fazenda Pública, da qual se encontra licenciado para exercer a representação dos colegas. Na entrevista a Algomais, Mozart Valadares fala do mundo jurídico local e suas peculiaridades.

Para ler a entrevista completa, acesse Blog do Jamildo, www.blogdojamildo.com.br

Deixe uma resposta