fffA juventude não dá 
Direito a segunda via
Jesus pintou meus cabelos
No final da boemia
Mas na hora de pintar
Esqueceu de perguntar
Qual era a cor que eu queria

Toda a noite quando deito
Um pesadelo me abraça
Meu cabelo que era preto
Está da cor de fumaça
Ficou branco após os trinta
Eu não quis gastar com tinta
O tempo pintou de graça

  João Paraibano

Vi o fantasma da seca
Ser transportado numa rede
Vi o açude secando
Com três rachões na parede
E as abelhas no velório
Da flor que morreu de sede.

  João Paraibano

1 pensou em “

  1. UM PE DE JERIMUNZEIRO
    QUE A ÁGUA NO TRONCO EMPOSSA
    CRIA FORÇA SOLTA FOLHAS
    CRESCE TALO O TRONCO ENGROSSA
    TRAVESSA A CERCA DO DONO
    VAI VINGAR NA OUTRA ROÇA

    GRANDE JOÃO PARAIBANBO

Deixe uma resposta